3 Formas Baratas de Velejar Pelo Mundo


Alou Maruj@s!!!

A gente sabe que o que você quer mesmo é velejar e muito embora a gente aqui prefira uma regata, o pessoal quer mesmo é atravessar oceanos e Velejar pelo Mundo. Se conseguir um preço em conta e uma forma barata, então melhor ainda! Certo? Certíssimo!!!

Pensando nisso, preparamos esse post sobre como qualquer pessoa – com ou sem experiência – pode velejar pelo mundo, mesmo sem ter um barco. Pronto? Então prepare-se para um novo mundo!

 

Velejar pelo Mundo, Tripulando

Tripulando um barco – ARC

Existem várias oportunidades de tripular e essa é a forma mais fácil de ganhar Muita Experiência a custos módicos. A diferença aqui é o que você quer. Anualmente existem rallies – regatas – que atravessam o Atlântico da Europa para o Caribe e sempre precisam de gente para tripular os barcos. São literalmente centenas de veleiros que utilizam as melhores janelas de clima (entre outubro e dezembro) para atravessar o oceano todos juntos. A ideia é ter mais segurança e poder se ajudar e se divertir, afinal é uma regata, mas não é uma Volvo Ocean Race! O objetivo é chegar e fazer amigos!

Como são muitos barcos – muitos mesmo – a oferta de vagas é grande, mas também tem muita gente que se inscreve até porque tem barco que não cobra nada para a viagem e só quer a sua boa companhia. Sério, existe. De verdade.

Os barcos saem em datas diferentes, locais diferentes e tem de todos os tipos. Alguns pedem tripulantes com experiência, outros aceitam ensinar. Alguns cobram pela vaga, outros pedem que as despesas sejam divididas, outros cobrem todas as despesas, exceto sua passagem e seguro de vida/saúde.

Tripulando um barco – Delivery

Fora os rallies, existem os deliveries. Que são um serviço que a gente presta através do parceiro DR Yachts.

O que é? Alguém tem um barco em algum lugar do mundo e precisa levar esse barco para outro lugar. Normalmente isso acontece entre as altas temporadas ou mesmo quando alguém se muda de país, cidade, etc. Ou simplesmente vai passar férias em outro lugar e quer levar o barco.

Isso é muito comum na Europa e dá pra arriscar dizer que são uma centena de viagens dessas todos os meses. Normalmente estas viagens requerem tripulantes mais experientes já que as viagens são profissionais na maior parte dos casos. Também são menores, de poucos dias ou uma semana e não se espante se você velear com um bichinho de estimação a bordo! rs! Alguns donos de barco fazem o proprio delivery e contratam, ou cobrem as despesas, de quem pode ajudar a completar o roteiro.

 

Seja para atravessar o Oceano Atlântico, seja para entregar um veleiro da Inglaterra para a Espanha, o crucial nestes dois casos é o timing e a disponibilidade. Procure saber com antecedência as temporadas dos rallies que são organizados pela ARC. Já os deliveries são mais fáceis de conseguir quando já se está viajando pelo velho continente ou quando já se sabe a data. Existem vários sites com estas oportunidades, o principal deles, e mais confiável, está aqui Crewseekers, mas é pago.

Importante: sempre entenda bem os custos e despesa antes de fechar qualquer coisa. Não se envergonhe de perguntar tudo até mesmo com quem você dividirá a cabine e quem são os outros tripulantes, a experiência deles, a rota e as datas. Também não tenha vergonha de pedir garantias, já que você vai provavelmente gastar uma passagem, pelo menos e não quer chegar lá e a coisa toda ser cancelada ou ter outra pessoa na sua vaga.

Prepare-se para adiar os planos porque todas estas viagens estão sujeitas a condições climáticas e podem ser empurradas para frente ou para trás dependendo do que o clima vai aprontar. As melhores previsões meteorológicas não conseguem dar 100% de certeza com mais de 5 dias.

Nunca-nunca-nunca esqueça de fazer um seguro para cobrir despesas médicas e até mesmo extração de pontos remotos, como Açores, por exemplo.

 

Velejar pelo Mundo, Turistando

A forma mais fácil é essa, ser turista mesmo. Venhamos e convenhamos, é a melhor também porque seu papel vai ser ajudar um pouco, mas de fato você é um hóspede sem muitas responsabilidade a não ser curtir a velejada, a comida e o destino – provavelmente uma ilha maravilhosa, uma praia fantástica ou um porto paradisíaco.

Ao contrário do senso comum, não é caro. Não estamos falando aqui e fazer um Charter (que é alugar um barco só para você). Estamos falando de um mundo diferente, de velejadores, donos de barcos, que estão velejando por aí e querem/precisam de mais gente a bordo, normalmente, para dividir as despesas.

Existem diversos barcos que fazem isso, a pesquisa é exaustiva, mas a gente já postou no facebook da Academia Náutica um conhecido que opera esse tipo de turismo: Sailing the Good Life. Conhecemos eles durante a passagem aqui no Rio de Janeiro. Um casal norueguês gente finíssima que, na época, tinha 2 tripulantes adicionais: um espanhol que queria muito atravessar o Atlântico e uma argentina que estava voltando para casa no melhor estilo possível. 🙂

Os preços e custos desta experiência variam enormemente porque dependerá do barco, da tripulação e, principalmente do destino. As vezes você pode embarcar para ficar dias em um mesmo porto, ou viagens curtas, mas você pode escolher também participar de longas viagens como a travessia pelo Pacífico ou a famosa Cape To Rio que sai desde a África do Sul e vem até o Rio de Janeiro em uma regata. Aqui as opções são ilimitadas.

Mas nem tudo são flores. Como muitos não são “treinados” em hospedagem e serviço, não se pode esperar sempre um serviço 5 estrelas. Aliás, o mais comum é que tudo seja dividido, até mesmo as tarefas a bordo como lavar louça, limpar o barco, cozinhar, navegar, velejar, ficar de vigia, etc.

É uma forma legítima e real de experimentar a vida a bordo, principalmente para quem sonha em aprender a velejar para fazer cruzeiros pelo mundo ou mesmo pela costa do Brasil.

 

Velejar pelo Mundo, Trabalhado a Bordo

Essa é uma forma mais complexa, mas ao contrário de gastar, você vai receber dinheiro. É também a forma menos glamourosa de velejar pelo mundo, já que você pode calhar de estar em um barco Super atarefado e trabalhar 18 horas por dia. Não é brincadeira. Pode ser 18 horas mesmo.

Para embarcar nessa é preciso experiência. Saber velejar, o básico, pelo menos, é indispensável já que você será um tripulante Ativo do Barco. Isso inclui responsabilidades que podem variar de marinheir@ a imediat@, de comissári@ a cozinheir@. Por que dividimos? Porque são duas áreas diferentes: Exterior e Interior e isso é que vai ditar muitas das rotinas a bordo.

Quando falamos em experiência é legal saber que os níveis são diferentes. Para um comissário, ninguém espera que você seja o Mestre dos Mares, mas espera sim que você saiba nós, os nomes dos cabos, as partes do barco etc. Mas se você quiser ocupar uma posição de imediato, é bom você ser realmente o Mestre dos Mares porque na prática, você faz tudo que o capitão faz.

Não são todos os barcos que terão todas estas posições. Alguns tem apenas um capitão e um chefe de cozinha. Outros, o capitão é o chefe de cozinha e precisa apenas de um marinheiro-comissário para atender aos clientes. O mais importante é que se você quer embarcar nesse mercado, é bom estar preparado mentalmente porque além de fascinante e te levar para destinos paradisíacos, pode ser muito atrativo financeiramente. Claro, é proporcional a carga de trabalho, que não é pouca.

Imagine que estes barcos, normalmente de empresas, funcionam como Hotéis 5 Estrelas durante as 24hr do dia, mas que ao invés de uma dezena de funcionários, tem apenas 2, 3 ou 4. Pois é ralação das boas de modo a oferecer um serviço de qualidade para quem está quase sempre pagando caro pelas férias. Estes são os serviços dos Charters.

Charter é um aluguel em que pode ser feito com ou sem tripulação. As diárias variam muito e por isso os salários dos tripulantes também, principalmente em relação ao destino e ao tamanho do barco. Turks and Caicos, um arquipélago fantástico, é famoso por cobrar caro e pagar bem. Ilhas Virgens Britânicas também. Mas locais como Bahamas, Costa Rica e México não são dos melhores em termos de remuneração. Em geral, a região do Caribe e Bahamas são recheados de Charters. Na Europa, o forte é na Espanha, Itália e Croácia.

Ah, outra coisa! A habilitação brasileira não é aceita para fins comerciais. Então aquela nossa carteira de Capitão Amador não servirá para ser capitão em um charter no estrangeiro. O principal é entender que empresas de charter tem riscos e contratos, daí eles querem que os tripulantes saibam o que estão fazendo em suas responsabilidades.

Para começar nesse ramo, então, é preciso investir em um curso de sobrevivência, combate a incêndio, primeiros socorros, etc. Para comandar um charter, é preciso habilitação internacional, normalmente uma emitida na Inglaterra. Existem vários tipos e formas de entrar nesse meio e se você quiser saber mais, a gente pode te dar o rumo a seguir.

Bem, foi isso. Apresentamos algumas alternativas para você que busca uma aventura, um passeio ou uma carreira no mar.

Quer saber mais, entra em contato! A gente vai ter prazer em te ajudar a #Velejar!

Bons ventos!

 

compartilhe com outros marujos Facebook